Você gasta ou Investe em Marketing?

30 de julho de 2018

Por Jair Italiani

Você deve estar se perguntando o que a imagem do doutor Spok está fazendo aí, ilustrando esse texto sobre marketing digital? A resposta é simples: tem a ver com a capacidade de o homem entender que o mundo evolui muito rápido e além da ficção científica. O que era um sonho, hoje é mais que uma realidade… como os smartphones.

E aí me pego nesses últimos três anos com uma sensação de padre jesuíta em meio aos índios quando o Brasil começou a ser colonizado. Sem demérito algum aos índios, uma vez que viviam uma realidade diferente daquela que lhe seria imposta a partir de então.

Coube aos padres jesuítas a missão de “catequisar” os índios, ou numa forma mais sutil, adequar a sua realidade a realidade do homem branco, que chegou e se apossou de tudo. Consequentemente, tudo mudou e estamos onde estamos. Sem entrar em detalhe, se não isso vira novela…

Só que de lá para cá, mais de 500 anos se passaram.  Mas nos últimos 15 anos as coisas andaram rápido demais. Foi quando houve uma nova invasão: da tecnologia. Dessa vez somos todos nós os índios.

Essa revolução causada pela tecnologia da informação, a chegada da internet e seus inúmeros caminhos na rede, levam você ao sucesso e ao fracasso, muito rápido. Se não estiver preparado, vai ser catequizado a força. Ou vai morrer resistindo. Não há meio temo, nem desculpas. Ou você corre e entra na onda, ou estará fora em pouquíssimo tempo.

Tudo é muito ágil, muito rápido e há que se ter disposição para acompanhar.

Os grandes já entenderam isso lá atrás. Os médios estão se tocando desse fenômeno agora. Os pequenos, estão tão abobalhados com essa mudança, quando os primeiros índios que avistaram Santa Maria, Pinta e Nina.

Assim como lá houve uma ruptura cultural, aqui existe outra. Lá os que não concordavam com a nova cultura morriam, literalmente. Agora acontece o mesmo, economicamente.

Quem se preveniu quanto a essa invasão, hoje está em algum lugar, sem bem investido seu capital, com um certo conforto, mas constantemente se inovando, se reinventando. Já quem esperou o tsunami, o resultado ou foi ou será catastrófico.

Posso parecer ave de mau agouro quando falo sobre isso, mas vejo a inércia e a falta de preocupação com os “novos colonizadores”. Antes usavam pesadas armaduras e armas de metal. Hoje pessoas de Tecnologia da Informação, de Inteligência Artificial e outros “Is”,  usam a suavidade de seus dedo e o cérebro.

O mundo mudou. Não há como voltar atrás.

Imagine os índios de Cabral vendo que aqueles brancos, estranhos, em grandes barcos chegando ao paraíso pensando que eles não se adaptariam ao clima, as condições inóspitas e voltariam rapidinho de onde vieram. Esse é você que gasta com marketing, publicidade, com comunicação.

Vejo no meu dia-a-dia principalmente os comerciantes, pequenos produtores e prestadores de serviços que não se deram conta dessa mudança de paradigma na comunicação e, mais dia menos dia, vão ter que aderir a nova cultura ou padecerão. E o pior: como toda batalha, o universo digital é um tabuleiro de xadrez, onde se não existir uma técnica, uma forma de atuar, será o mesmo que ficar à mercê do adversário.

Internet, mundo digital é coisa séria e não se resume a curtidas no Facebook. A palavra de ordem é estratégia, conteúdo, ação!

Marketing deveria ser para qualquer pessoa que empreende o mesmo que o ar que respira, a menos que surfe num oceano azul, mas mesmo assim, acredito que sem uma estratégia, uma forma de trabalho ordenada, o fracasso é a porta mais próxima.

Quando vejo pessoas que eu imaginava esclarecidas, empreendedoras e capazes de entender essa mudança na cultura comercial, olhar para mim e dizer que “não tem dinheiro para gastar” com marketing digital, minha vontade de responder com um sonoro: moooorra!

Porque essa morte comercial vai acontecer. A questão é se vai ser uma morte instantânea, do tipo um infarto fulminante – o que duvido muito – ou lenta e gradual, e com isso, arrastar para o fundo do poço tudo aquilo que levou muito tempo para conseguir, e os que estão a sua volta juntos para o mesmo lugar.

Quem gasta com marketing, seja online ou offline, gasta com a vida. Como as flechas dos índios contra os trabucos dos invasores.

Quem investe em marketing, seja online ou offline,  aposta na vida eterna, como ensinaram nos jesuítas queriam fazer acreditar. Geração após geração hão que se suceder nos negócios, desde que saibam diferenciar uma coisa da outra e acompanhar a evolução cada vez mais rápida das tecnologias, se adaptar aos novos “invasores” que virão.

Sou um homem do século passado, mas vou usar uma definição de um homem de um século anterior ao meu, Charles Darwin, que há 160 anos já dizia mais ou menos isso: “não será o mais forte, o mais resistente que sobreviverá, mas sim, aquele que tiver a melhor capacidade de se adaptar”!

Flexibilize. Pense fora da casinha. Sobreviva aos novos invasores. Invista. Não gaste seu tempo e seu dinheiro.

Jair Italiani é jornalista com especialização em Marketing pela Unicamp e atua em plataformas digitais